Buscar
  • Flaviane

Eleições 2022: Segundo turno

Tudo o que você precisa saber para votar


Agora falta pouco para o 2° turno das eleições de 2022 e para te ajudar na hora de votar, separamos tudo o que você precisa saber antes de apertar a tecla “confirma”.


Neste ano, o 2° turno será realizado no dia 30 de outubro e no estado de São Paulo haverá votação para o cargo de governador e presidente da República. As votações acontecerão das 8h às 17h (horário de Brasília) tendo sua apuração iniciada imediatamente após o fechamento das urnas.


Não votei no 1° turno, posso votar no segundo?


Mesmo sem ter feito a justificativa por não ter votado no 1° turno, você pode participar normalmente das eleições do dia 30. É preciso estar em situação regular com a Justiça Eleitoral e apresentar a justificativa de ausência até dia 1° de dezembro em qualquer zona eleitoral.


O que preciso levar para votar no 2° turno?


Assim como no 1° turno, será preciso apresentar documentos comprobatórios na sua seção para votar no 2° turno. É recomendado levar o título de eleitor impresso ou digital pelo aplicativo do e-Título.


Também é obrigatório apresentar um documento oficial com foto, sendo aceitos os seguintes documentos:


1 - passaporte

2 - carteira de identidade (RG)

3 - carteira de categoria profissional reconhecida por lei

4 - carteira de trabalho

5 - carteira nacional de habilitação (CNH)

6 - certificado de reservista



Leia também:

Eleições 2022 - Tudo o que você precisa saber sobre o dia de votar

Quais são as vantagens de ingressar cedo no mercado de trabalho?

A História do Voto dos Jovens no Brasil

A importância dos direitos LGBTQIAP+ e o mercado de trabalho


Quais são os números dos candidatos?


Para o 2° turno, você deverá votar para dois cargos: governador do estado e presidente da República. Temos como candidatos a governador no estado de São Paulo: Fernando Haddad (PT) e Tarcísio de Freitas (Republicanos). Para presidente da República, você poderá votar também entre duas opções, tendo como candidatos o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o atual presidente Jair Bolsonaro (PL).


Eles são identificados pelas seguintes numerações:


  • Governador


Fernando Haddad (PT) - 13

Tarcísio de Freitas (Republicanos) - 10


  • Presidente


Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - 13

Jair Bolsonaro (PL) - 22


Para não esquecer a numeração do seu candidato no dia da eleição, a nossa dica é levar uma colinha com o nome e número da pessoa que você vai votar. Lembre-se: celulares são proibidos na urna de votação e por isso, o ideal é levar uma colinha no papel com tudo anotado.




O 2° turno das eleições acontecem no dia 30 de outubro (foto: TSE)


Quais as principais propostas para educação de cada candidato?


Governador:



1. Criar o Alfabetiza SP, programa estadual de alfabetização na idade certa para ajudar os alunos que ficaram com a alfabetização defasada durante a pandemia, em colaboração com os 645 municípios paulistas.


2. Cria o Cartão Permanência, o programa de transferência de renda para jovens de baixa renda do ensino médio, para assegurar sua permanência na escola e incentivar sua formação.


3. Criar mais 200 mil vagas públicas de ensino médio de nível profissional e técnico.


4. Criar os Institutos Estaduais (IEs), que serão centros educacionais de referência e de

cultura e esporte para a comunidade em todas as regiões do estado, em especial nas

áreas de maior vulnerabilidade social.


5. Garantir a aplicação do Programa de Alimentação Escolar (PNAE) e implementar

políticas que assegurem alimentação saudável e nutritiva, e preferencialmente

orgânica e da agricultura familiar.



1. Implementar no Estado a Política Nacional para Recuperação das Aprendizagens na Educação Básica. Serão realizadas avaliações sistemáticas de monitoramento de aprendizagem, e um conjunto de recursos pedagógicos para suplementação de ensino e superação do impacto da suspensão das aulas presenciais no aprendizado dos alunos.


2. Ampliar a oferta de educação integral no ensino fundamental e médio, com alimentação de qualidade, tempo de estudo ampliado, currículo integrado, incentivando o protagonismo juvenil, empreendedorismo, discussão de projeto de vida, com disciplinas eletivas interdisciplinares e abordagem por projetos.


3. Criar política junto às prefeituras para atendimento de 100% da demanda de Creches de 0 a 3 anos de idade, em estruturas formalizadas. Apoiar os municípios na requalificação da fila de creches, vinculando-a ao programa de apoio à saúde pré-natal da gestante, com integração e otimização de cadastros.


4. Ampliar a acessibilidade das escolas e inclusão de alunos com deficiência, com adequado preparo da infraestrutura e capacitação profissional.


5. Desenvolver parcerias com as universidades, escolas técnicas e iniciativa privada sempre com o objetivo de criar centros de formação científica e tecnológica nas instituições de ensino, dando continuidade à implementação do Novo Ensino Médio, com ampliação de

oferta de itinerários formativos profissionalizantes, alinhados ao mercado de trabalho e, principalmente, com uma visão de futuro.


Presidente:



1. Voltar a investir em educação de qualidade, no direito ao conhecimento e no fortalecimento da educação básica, da creche à pós-graduação, coordenando ações articuladas e sistêmicas entre a União, Estados, Distrito Federal e Municípios, retomando as metas do Plano Nacional de Educação.


2. Para os alunos que ficaram defasados devido às inúmeras limitações, materiais, pedagógicas ou tecnológicas, durante a crise sanitária, afirma o compromisso do novo governo com um programa de recuperação educacional concomitante à educação regular, para que possam superar esse grave déficit de aprendizagem.


3. Resgatar e fortalecer a educação pública universal, democrática, gratuita, de qualidade, socialmente referenciada, laica e inclusiva, com valorização e reconhecimento público de seus profissionais.



1. Dar continuidade a um conjunto de ações no sentido de melhorar a posição brasileira nos diversos rankings, como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), em sua próxima edição.


2. Constar no planejamento para essa área uma política pública voltada para a formação em todas as faixas etárias, e contemplando inclusive a Educação Especial e a Educação de Jovens e Adultos, assim como o ensino técnico profissionalizante, ensino superior e pesquisa, com uma base em tecnologia que permita nossos estudantes entenderem e aplicarem assuntos como inteligência artificial, programação, internet das coisas, segurança cibernética e da informação, e outros correlatos.


3. Incrementar ações que forneçam os fundamentos de importantes disciplinas como Matemática, Português, História, Geografia, Ciências de uma forma geral e outras, permitindo que os alunos possam exercer um pensamento crítico sem conotações ideológicas que apenas distorcem a percepção de mundo, em particular aos jovens, e geram decepções no cidadão que busca se colocar no mercado após concluir sua formação.


Para ter acesso aos planos de governo de cada candidato você deve clicar nos nomes de cada candidato.




35.396 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo