Buscar
  • Flaviane

ESG: Conheça o conceito que está mudando o comportamento das empresas

Você já ouviu falar das medidas ESG? O termo vem do inglês Environmental, Social and Governance, que em tradução livre, representa três critérios de avaliação de investimentos: as práticas ambientais, sociais e de governança de uma empresa.


Proposto inicialmente em 2004 pela iniciativa “Who Cares Wins” do Pacto Global da ONU, a agenda ESG é um conjunto de práticas de avaliação da responsabilidade ambiental e social de um negócio. Esses critérios também são utilizados para ajudar investidores a decidirem quais empresas são adeptas às mudanças do mercado.


Em seu primeiro pilar, a ESG preza pela redução do impacto ambiental, seja na diminuição de gases poluentes, na valorização de energias renováveis ou no descarte correto de resíduos. A responsabilidade ambiental traz diversos benefícios, como a redução de custos de eficiência energética ou na reutilização e reciclagem de diversos produtos.


Para o critério social, procura-se avaliar a qualidade das práticas trabalhistas no local. Nesse setor, leva-se em consideração a qualidade das condições de trabalho, as políticas de diversidade e inclusão, o bem-estar dos funcionários, o relacionamento com a comunidade local e a saúde dos trabalhadores, entre outros exemplos.


Já na área da governança, o ESG procura avaliar a eficácia da gestão executiva do local. Os principais tópicos discutidos são a diversidade e estrutura do conselho de gestores, a proteção dos interesses dos acionistas, a luta contra a corrupção e o suborno e a gestão eficiente do capital.





Esses critérios se tornaram extremamente valiosos dentro do mercado, considerando que a legislação contra energias não-renováveis e a procura pela redução do impacto ambiental se tornaram grandes pautas na maioria dos governos europeus e norte-americanos. Nos Estados Unidos, o governo pretende zerar a emissão de carbono até 2050, e na Europa, 55% das emissões líquidas de gases do efeito estufa serão reduzidas até 2030.


Tais pautas refletem a necessidade das empresas brasileiras se adaptarem às novas responsabilidades ambientais e sociais do novo século. São inúmeras as vantagens competitivas: com os adventos tecnológicos e a democratização da informação, as novas gerações procuram por empresas que refletem seus valores e que sigam práticas sustentáveis e sociais, e o mercado investidor brasileiro já enxerga o ESG como prioridade.


Para o presidente do Bradesco, Octavio Lazari Junior, a agenda ESG faz parte do debate público: ‘’A pandemia foi um acelerador, jogou luzes sobre esse tema de forma contundente. Não só pela tragédia [...] mas porque a sociedade em geral não pode mais dar as costas para esse tema”, afirmou o empresário em palestra para a Federação Brasileira de Bancos.


Por isso, fica cada vez mais importante se adaptar a essas medidas. Tais práticas atraem mais clientes, acrescentam credibilidade à empresa e também são critério de medida para subsídios governamentais e investimentos de terceiros.


A cada ano, a agenda ESG ganha cada vez mais adeptos. No Brasil, a maioria das grandes empresas já vem se adaptando aos novos métodos de sustentabilidade e igualdade social do mercado. Na área financeira, o destaque de cases bem sucedidos da agenda ESG vai para os bancos brasileiros. Na pandemia, o banco Itaú anunciou a doação de 1 bilhão de reais para o combate do coronavírus e planeja liberar até 100 bilhões em ações de impacto até 2025, enquanto o Banco do Brasil pretende financiar até 125 bilhões de reais em projetos de agricultura sustentável


Na área de bebidas, a Ambev chama atenção com seu plano de redução de consumo de água e a doação de mais de 500 milhões de reais em ações de impacto, como a plantação de árvores e recuperação de nascentes. Já na área de bem estar, a Natura sucede com a relação de fornecedores locais na Amazônia e seus produtos são 100% carbono neutro desde 2007.


O GAMT também está se adequando a essas medidas: a ONG promove a transformação social e econômica de jovens através do ingresso no mundo do trabalho.


Na área empresarial, o projeto oferece consultoria para o desenvolvimento de projetos sociais em parceria com empresas interessadas, além de desenvolver outros programas, como o de voluntariado voltado à participação de colaboradores das empresas parceiras e a inserção de jovens com deficiência no mercado de trabalho.


Se você tem interesse em participar de uma consultoria com o GAMT e adequar a sua empresa aos novos ideais do mercado, entre em contato com o projeto pelo e-mail gamt@gamt.org.br ou pelo WhatsApp (12) 99799-8015.


16 visualizações0 comentário