Buscar
  • Flaviane

Como desenvolver o trabalho remoto dos jovens aprendizes


Os últimos dois anos foram, para se dizer o mínimo, caóticos para o mercado de trabalho. Com o avanço da pandemia do Coronavírus, diversas empresas não conseguiram sobreviver com a nova realidade social e econômica e precisaram fechar as portas, enquanto outras tentaram, com dificuldade, se adaptar ao distanciamento social e às medidas de prevenção contra o vírus.


Leia também:

https://www.gamt.org.br/post/dicas-valiosas-para-aprender-a-trabalhar-em-equipe


https://www.gamt.org.br/post/linkedin-aprenda-a-usar-a-rede-social-a-seu-favor


https://www.gamt.org.br/post/como-ser-uma-empresa-inclusiva-dicas-para-incluir-pcds-na-sua-equipe


A grande mudança para o mercado, no entanto, foi a adaptação ao trabalho remoto. Diferente de países como os Estados Unidos e Alemanha, onde o trabalho fora dos regulares escritórios já era mais regularizado, a maioria das empresas do Brasil ainda não defendiam tal método. Com as súbitas mudanças trazidas pela quarentena, tornou-se necessário se adaptar ao famoso home office.




Dados do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) revelam que, no ano de 2018, apenas 5,2% dos trabalhadores brasileiros realizavam seu trabalho de forma remota. Já em 2020, com a pandemia, esse número dobra, chegando aos 11,2% dos trabalhadores do país, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea).


Diversas posições no mercado de trabalho se mostraram mais flexíveis com a pandemia. Segundo o Ipea, profissionais do setor financeiro, da educação e da comunicação privada foram os que mais realizaram o home office no último ano. Além disso, dados da BTA Consultoria contabilizam que 43% das empresas brasileiras tornaram-o uma forma padrão de trabalho.


Com o conforto do trabalho em casa, o home office fez sucesso no país. Conforme a pesquisa realizada pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP), os brasileiros têm grande preferência pelo trabalho remoto, porém nem todas as áreas estavam aptas a essa forma de trabalho.


Uma das estudantes que sofreu com essa mudança é a graduanda em jornalismo, Mariana Chagas. Anteriormente aprendiz de um hospital na cidade de Osasco, ela teve que retornar brevemente para a cidade de Bauru, onde cursa jornalismo, e perdeu seu emprego. Na busca por uma nova colocação, a estudante conquistou uma vaga em um projeto remoto em sua universidade e conseguiu, então, trabalhar durante suas estadias em sua cidade universitária. Agora, Mariana consegue viajar de Bauru para São Paulo sem se preocupar com uma possível demissão: ‘’Depois de dois anos, acredito já estar bem mais adepta ao modo remoto. Tudo é uma questão de costume.’’


Percebeu a importância do trabalho remoto e quer tornar sua empresa mais flexível? O GAMT também preparou cinco dicas para desenvolver o trabalho remoto dos jovens aprendizes!





  • Priorize a comunicação e a empatia


A comunicação é a peça chave para o sucesso de uma equipe. Com o distanciamento social e a quarentena, tornou-se ainda mais necessário promover a comunicação dentro do ambiente de trabalho. Sempre escute as demandas e necessidades de seus aprendizes. Em momentos tão incertos como o da pandemia, é essencial promover a empatia e a escuta.


  • Estabeleça um sistema


Consolidar um sistema regular para o trabalho remoto é essencial. Por mais que o Facebook e o WhatsApp sejam ferramentas simples e gratuitas, existem aplicativos corretos para a organização do trabalho. Sites como Twist, Slack, Trello e Meistertask podem ser benéficos para a comunicação da equipe. Ao invés de utilizar uma rede pessoal de seu aprendiz, como grupos de WhatsApp, experimente utilizar um canal apenas para o trabalho. O aumento da produtividade é garantido!


  • Promova workshops e treinamentos

Nem todos os aprendizes podem estar acostumados com o uso de diferentes plataformas do trabalho remoto. Sempre os mantenha atualizados e ofereça treinamentos e workshops, mesmo que de assuntos simples e corriqueiros.


  • Não se renda ao microgerenciamento absurdo


O trabalho remoto revelou uma distância nunca vista dentro do ambiente de trabalho. Se antes, gerenciar o trabalho de um aprendiz era um fator simples e diário, o home office dificultou esse trabalho. É necessário desenvolver a confiança em seus trabalhadores: cobrança demais é um aspecto negativo do trabalho e pode afetar toda a equipe.



  • Incentive o feedback


Em momentos de distância, o feedback pode representar o fortalecimento e a união de uma equipe. Pontue os pontos positivos e os pontos de melhora de seus aprendizes: isso com certeza os motivará.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo